Afinal, qual é a diferença entre cosméticos e dermocosméticos? - Blog | Vinotage

Afinal, qual é a diferença entre cosméticos e dermocosméticos?

7 minutos para ler

Conhecer as diferenças entre cosméticos e dermocosméticos é um fator fundamental para a saúde de sua pele. De fato, o uso inapropriado dos produtos na rotina de beleza faz com que os resultados esperados não aconteçam e a rotina de cuidados fique comprometida.

Saiba que quando o assunto é tratamentos com a pele informação adequada faz toda a diferença. Isso porque, dessa maneira, fica muito mais simples escolher apenas ativos apropriados para suas necessidades que permitem construir uma maquiagem perfeita ao mesmo tempo que mostra resultados nas camadas profundas da derme.

Quer saber mais? Vamos mostrar as principais diferenças entre cosméticos e dermocosméticos. Acompanhe!

Características dos cosméticos

Os cosméticos atuam diretamente na beleza feminina e possuem ação complementar aos dermocosméticos. Suas substâncias atuam nas primeiras camadas da pele sem se aprofundar na epiderme. As mudanças são visíveis imediatamente após a aplicação e removíveis logos após o enxágue do rosto, por exemplo.

Imagine só que você está com algumas acnes na região da testa, ao se maquiar, capricha na cobertura com base e corretivo para disfarçar. Na hora, o resultado é ótimo com a pele completamente uniforme. Porém, logo após demaquilar a pele e tomar banho, o produto é removido da pele e as pequenas imperfeições momentâneas voltam.

Outra principal diferença entre dermos e cosméticos é que o segundo não precisa de aprovação científica para aplicar os componentes na fórmula antes de ser comercializada ao público final.

Características dos dermocosméticos

Com substâncias ativas que atuam nas camadas internas da pele, os dermocosméticos são classificados como produtos de tratamento. Os ativos, aqui, são farmacológicos e atuam normalmente na regeneração da pele, suavização das rugas e outras necessidades de beleza e saúde a longo prazo.

Como se apresentam com uma série de variações de substâncias, podem ser usados também em tratamentos anti-acne, manchas e flacidez. Esse tipo de produto é classificado como grau 2 na Anvisa. Isso significa que todas as combinações nas fórmulas passam por uma série de testes que comprovam a eficiência e a segurança de utilizá-los.

Outra informação interessante é que eles não são formulados habitualmente com perfumes, corantes, parabenos e outros componentes que podem causar alergias, irritações ou comedões.

Principais ativos

Princípio Ativo é a substância que está sempre presente em medicamentos, alimentos, cosméticos ou plantas e é capaz de ativar alguma resposta no organismo, causando um efeito imediato ou de longo prazo.

Existem vários fatores que interferem na composição dos produtos. O principal deles é a finalidade de seu uso. Um sérum controle de oleosidade pode ter como princípio ativo uma substância o ácido glicólico, por exemplo.

O mais importante é ter em mente que os ativos dos dermocosméticos são resultados de estudos em laboratórios especializados na saúde da pele. As fórmulas desenvolvidas também costumam ser patenteadas pelo fabricante.

Outro exemplo de recomendação frequente pelos dermatologistas, nesse caso, é o aminexil para queda de cabelo e as substâncias derivadas do retinol que promovem mudanças expressivas na textura da pele.

Já no caso dos cosméticos os principais ativos são capazes de embelezar sem grandes variações a longo prazo. Entre a lista de usados no mercado está a aloe vera, algas marinhas, óleo vegetal e vitaminas.

Fabricação minuciosa

Como regra da indústria de dermocosméticos, a fabricação elimina tudo o que não é extremamente necessário para que os principais ativos tenham efeito na pele. Ou seja, esse é o motivo que faz essa categoria ser considerada hipoalergênica.

No entanto, diferentemente dos cosméticos que são comercializados livremente. O uso dos dermocosméticos é indicado após um especialista avaliar a sua pele e identificar o que é realmente necessário em um tratamento. Caso contrário, você pode sofrer com efeitos desagradáveis, como acne, vermelhidão, descamações e até rebote de oleosidade.

No caso das diferenças entre os dois produtos, também é importante levar em consideração o preço cobrado. Os dermocosméticos, como apresenta uma pesquisa minuciosa sobre sua eficácia e substâncias que realmente mudam todas as camadas da derme, tendem a ter um preço mais elevado quando comercializados em farmácias.

Já os cosméticos, como não passam por estudos tão detalhados e critérios científicos para serem comercializados costumam apresentar variações de valores mais democráticas ao consumidor. Existem batons de todos os preços, por exemplo.

Escolha do consumidor

Muitas pessoas ficam em dúvida sobre qual dos dois tipos escolher para aplicar na pele. Tenha em mente que ambos têm como função uma melhora na aparência, porém, são finalidades completamente diferentes. A maquiagem, como é removida diariamente, pode ser usado depois do tratamento em todos os tipos de pele  um dermocosmético.

O grande diferencial é não se deixar levar pelos efeitos instantâneos dos cosméticos e acabar esquecendo de tratar o problema a fundo em uma rotina de cuidados com pele focada em tratamento a longo prazo.

Cosméticos que tratam

Com as constantes evoluções da indústria da beleza, muitos cosméticos hoje aparecem no mercado apresentado ativos de tratamento. Muitas bases faciais, por exemplo, possuem ácido hialurônico na composição.

As bases com cor são muito utilizadas no mercado de beleza, enquanto adiciona cor a uma maquiagem comum, esse tipo de base ainda apresenta alto poder de hidratação. Quando adicionado na quantidade certa, ainda atua no combate as linhas de expressão e reduz os sinais já aparentes de envelhecimento.

No entanto, como as concentrações nos produtos costumam ser bem menores do que os dermocosméticos, aplicar apenas uma maquiagem com a substância não é suficiente para atuar como tratamento antiage ou reposição de colágeno.

Hidratantes

Os hidratantes com diferentes formulações também existem tanto na categoria de dermocosméticos quanto de cosméticos. No entanto, o melhor caminho é sempre priorizar as opções que atuam nos efeitos antiidade e na hidratação intensa na mesma proporção.

Substâncias naturais, como os óleos de semente de uva com alta concentração de resveratrol nanoencapsulado, que uniformizam a pele e trazem benefícios nas camadas profundas. Além disso, muitas pessoas se enganam acreditando que não é preciso hidratar a pele quando existe excesso de oleosidade.

Saiba que óleo é muito diferente de hidratação. Os níveis de água da pele quando bem estabelecidos por um bom creme ajudam a regular a saúde da derme e até a controlar a produção de oleosidade durante o dia.

Pronto! Agora você já conhece as diferenças entre os cosméticos e dermocosméticos. O mais importante é saber como combinar o uso das duas categorias. Afinal de contas, ao aproveitar os benefícios tanto da beleza da maquiagem quanto do tratamento, sua pele fica muito mais saudável e os resultados são duradouros.

Gostou das informações deste artigo? Então aproveite e lei também sobre 6 motivos para usar máscaras faciais no dia a dia.

Posts relacionados

Deixe uma resposta