Entenda o que é a síndrome de burnout e como tratá-la! - Blog | Vinotage

Entenda o que é a síndrome de burnout e como tratá-la!

7 minutos para ler
Woman entrepreneur looking tensed while working late in office. Businesswoman sitting tired in front of computer with hands on face and closed eyes.

Muito provavelmente, você já ouviu falar sobre a síndrome de burnout. Afinal, tem sido cada vez maior o número de pessoas com sintomas de estresse devido ao acúmulo de trabalho e, em casos mais graves, o quadro pode evoluir para essa síndrome.

Portanto, você já deve ter uma ideia de que essa condição está intimamente relacionada ao excesso de atividades profissionais na vida de uma pessoa. Porém, será que você sabe exatamente o que ela é, como se manifesta, como é o tratamento e como preveni-la?

Para compreender melhor o assunto, leia este artigo até o fim. Nele, vamos explicar tudo sobre a síndrome de burnout, além de dar algumas dicas para você evitá-la!

O que é a síndrome de burnout?
Em inglês, “burnout” vem da união de “burn” e “out”, significando “queimar até o fim”. Portanto, também chamada de síndrome do esgotamento profissional, essa condição é um distúrbio psíquico decorrente do excesso de atividades laborais desgastantes e que impõem ao trabalhador altos níveis de responsabilidade ou competitividade.

Então, o problema pode se manifestar tanto em funcionários de cargos mais elevados quanto naqueles submetidos a uma chefia. Além disso, ele pode afetar desde os profissionais mais proativos, que acumulam para si diversas funções, até os mais inseguros, os quais se consideram incapazes de vencer desafios.

Outra questão ligada ao burnout é que a sensação de sobrecarga não se limita ao ambiente de trabalho. A difusão das tecnologias favorece o surgimento do problema, ao exigir que o funcionário de uma empresa esteja sempre à disposição, até mesmo fora do horário de expediente. Logo, a síndrome pode existir também quando o indivíduo já não consegue mais separar trabalho e lazer.

Como ela se manifesta?
O estresse recorrente é um dos sinais da síndrome de burnout — mas não é o único. Junto dele, outros sintomas físicos, mentais e psicológicos podem se manifestar no indivíduo que se dedica quase em tempo integral ao trabalho. Os principais são:

  • dor de cabeça frequente;
  • hipertensão;
  • dores musculares;
  • disfunções gastrointestinais;
  • insônia;
  • fadiga;
  • sudorese;
  • depressão;
  • ansiedade;
  • sentimentos de fracasso e insegurança;+
  • falta de energia.

Além das manifestações sentidas no corpo, o comportamento da pessoa no dia a dia também pode indicar a presença do quadro. Alguns indicativos são:

  • isolamento do convívio social;
  • dificuldade para cumprir atividades do trabalho;
  • desorganização;
  • irritabilidade;
  • negatividade constante;
  • ausências no trabalho.

Esses sintomas se manifestam de maneira leve e esporádica inicialmente, mas podem se intensificar e se tornarem mais frequentes com o passar do tempo. Por isso, é fundamental estar sempre atento e procurar ajuda profissional quando necessário.

Como tratar?
Em primeiro lugar, é fundamental que, ao identificar indícios do problema, a pessoa busque readequar o seu estilo de vida, para aliviar o cansaço e relaxar de verdade. Práticas como yoga e meditação podem ajudar nisso.

Também é muito importante reduzir o tempo de trabalho e as atribuições que ele impõe, compartilhando-as com colegas. Ainda, deve-se criar o hábito de respeitar os momentos de lazer, não deixando que atividades profissionais interfiram nesses períodos.

No entanto, nem sempre essa percepção parte da própria pessoa. Assim, é preciso que parentes e amigos também estejam atentos aos sinais que possam surgir e ofereçam o auxílio necessário.

Quando apenas o descanso não for suficiente, o acompanhamento profissional é a melhor solução. A terapia com um psicólogo é uma boa maneira de aliviar a carga mental que o trabalho gera. Porém, em alguns casos, a intervenção de um psiquiatra será mais eficiente, com a prescrição de medicamentos como antidepressivos e ansiolíticos, se for preciso.

O que fazer para prevenir a síndrome de burnout?
Falar em síndrome de burnout é tratar de saúde mental, e, para mantê-la, a adoção de hábitos mais saudáveis é uma excelente estratégia. Eles envolvem não só o cuidado com o corpo e a mente, mas também a organização e o planejamento de compromissos e responsabilidades.

Pratique exercícios físicos
Um corpo saudável é o primeiro passo para uma mente em bom funcionamento, e, para isso, os exercícios físicos são ideais. Afinal, além de melhorar o condicionamento, elas estimulam a produção de hormônios que proporcionam sensação de bem-estar. Então, escolha aquela que dê mais prazer e procure praticá-la com frequência!

Mantenha uma alimentação saudável
O alimento que você consome impacta no seu humor e na sua produtividade. Isso porque é ele que fornece a energia necessária para que você realize suas atividades diárias.

Por outro lado, refeições muito calóricas, por exemplo, também podem prejudicar o seu rendimento por deixar seu metabolismo mais lento. Logo, procure manter uma alimentação saudável, estabelecendo horários e combinando diferentes nutrientes.

Tenha um acompanhamento psicológico
Não só em momentos de crise, o acompanhamento psicológico é sempre importante. Afinal, falar é uma boa maneira de colocar para fora o que nos aflige e é um excelente remédio para a ansiedade e o estresse que o trabalho pode causar. Portanto, fazer terapia ajuda a manter o equilíbrio mental e evitar disfunções como a síndrome de burnout.

Evite o consumo excessivo de álcool
Diante de tanta pressão, é possível que uma pessoa busque aliviar a tensão ingerindo álcool. Porém, o risco dessa prática é exatamente a dependência que essa substância pode causar, a partir do momento em que se torna uma espécie de refúgio para esquecer os problemas. Assim, evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas também ajuda a prevenir a síndrome de burnout.

Defina objetivos
É normal que o acúmulo de compromissos faça você se sentir um pouco perdido. Por isso, é fundamental parar um pouco e se planejar. Reveja suas tarefas e organize-as estabelecendo prioridades. Defina objetivos e risque-os da sua lista na medida em que for cumprindo-os. Dessa maneira, você conseguirá enxergar melhor o que já fez e o que ainda precisa ser feito, sentindo-se mais produtivo.

Evite o estresse
Para prevenir o burnout, evite situações de estresse. Não exija de si mesmo mais do que é capaz. Procure solucionar complicações relacionadas ao trabalho da forma que estiver ao seu alcance, evitando que elas extrapolem o ambiente profissional e invadam os seus momentos de descanso. Caso se sinta sobrecarregado, procure compartilhar atribuições.

Como você pode ver, a síndrome de burnout é um problema sério que tem afetado a saúde mental de muitas pessoas. Ela se torna ainda mais grave por envolver algo que soa normal a tanta gente: o acúmulo de trabalho. Porém, como visto, é preciso rever a naturalização da sobrecarga de responsabilidades, já que ela pode provocar adoecimento.

É por esse motivo que esse quadro clínico também recebe o nome de síndrome do esgotamento profissional. Ele provoca sintomas mentais e psicológicos, mas o corpo também pode manifestar essa condição, por meio de dores ou desconfortos. E, nesses casos, é fundamental que se faça o diagnóstico o quanto antes e se busque ajuda.

Contudo, mais do que tratar, é preciso prevenir. Para isso, promova uma mudança de hábitos, colocando em prática as dicas dadas acima, garantindo um estilo de vida mais saudável. Se ainda assim você perceber sinais desse problema, procure tratamento profissional!

Há outras maneiras de evitar a síndrome de burnout. Confira mais dicas para manter uma vida mais equilibrada e saudável!

Posts relacionados

Deixe uma resposta